FANDOM




Veste.jpg

Zinaldo A. SantosEditar

editor da revista Ministério



Introdução


Numa terça-feira, três dias antes de ser crucificado, Jesus Cristo visitou mais uma vez o templo. Encontrou sacerdotes e anciãos, ainda aborrecidos com acontecimentos recentes, como a entrada triunfal em Jerusalém e a firme ação de purificar o templo, interrompendo o comércio local. Enquanto passeava no pátio, ensinando e conversando com as pessoas, o Mestre foi abordado por esses “principais sacerdotes e anciãos”, que Lhe fizeram a seguinte pergunta: “Com que autoridade fazes estas coisas? E quem Te deu essa autoridade?” (Mt 21:23).


A “resposta” foi dada indiretamente, em forma de outra pergunta: “De onde era o batismo de João, do Céu ou dos homens?” Se respondessem: “dos homens”, estariam se posicionando contrários à crença em João como profeta de Deus. Se respondessem: “do Céu”, obrigatoriamente reconheceriam a autoridade de Jesus como sendo divina. E capitularam, dizendo: “Não sabemos” (Mt 21:24-27).


Estava aberta a possibilidade para que Jesus continuasse ensinando no templo, e Ele a aproveitou, apresentando três parábolas: a dos dois filhos, a dos lavradores maus e a parábola das bodas. Como toda parábola, os detalhes dessas também comparavam simbolicamente situações comuns ao povo.


A parábola dos dois filhos expunha a descrença da liderança judaica no apelo de Deus ao arrependimento, quando João Batista anunciou o aparecimento do Messias. Na parábola dos lavradores maus, eles viram suas mãos levantadas para assassinar o Messias. Finalmente, na parábola das bodas, perceberam sua rejeição da graça salvadora de Deus que se tornou disponível através desse mesmo Messias.



A parábola das bodas “O Reino dos Céus”, disse Jesus, “é semelhante a um rei que celebrou as bodas de seu filho” (Mt 22:2). “Festas de bodas eram comuns em Israel, ocasiões de muita alegria e felicidade. As pessoas comuns as desfrutavam por uma semana inteira. Aconteciam normalmente ao finalizar a última colheita de outono ou pouco depois. Mas o programa de vida de um rei não estava vinculado ao calendário agrícola. Seus filhos podiam casar-se em qualquer tempo que o rei determinasse. O rei da parábola preparou um grande banquete para as bodas de seu filho e esperava que todos os participantes sentissem a plena felicidade da ocasião. Mas não seria assim. Alguns sofreriam por causa de seus próprios desejos e de suas decisões próprias” (Mário Veloso, Mateus – Comentário Homilético, p. 277).


Enquanto o preparo da festa está em andamento, mensageiros enviados pelo rei notificam os convidados. Aqui, o rei representa Deus. O filho representa o Messias. As bodas ou o casamento representam a encarnação de Deus em Cristo Jesus. A união das naturezas divina e humana em uma Pessoa, Jesus Cristo, torna possível a festa de casamento. Essa encarnação é a pedra angular do edifício da salvação. Porém, sendo que a encarnação é um mistério além da compreensão humana, a ênfase de Jesus é sobre o banquete ou a festa das bodas – os benefícios do evangelho que ela nos trouxe. O convite é a proclamação do evangelho. As bodas da parábola são as bodas messiânicas e representam o encontro do Messias com Seu povo.



Primeiros convites João Batista, os doze e os setenta, bem como Jesus, foram os mensageiros que transmitiram o primeiro convite a Israel. Multidões ouviram o convite feito por esses mensageiros, mas, como disse o próprio Jesus, “não quiseram vir” (Mt 22:3).


Mas o Rei, em amorosa insistência, envia um segundo convite; dessa vez, por meio dos doze cheios do Espírito Santo e seus irmãos de fé cristã, depois da ressurreição de Jesus. O anúncio enfatiza que o banquete se acha em fase de preparo: “os Meus bois e cevados já foram abatidos” (Mt 22:4), numa possível referência ao Calvário. A morte de Cristo confirmou todas as promessas do concerto da graça, mudando a simples promessa da salvação em realidade. “Os enviados de Jesus ainda proclamavam o evangelho somente à nação israelita que, segundo as profecias de Daniel, continuaria sendo a nação peculiar de Deus até o fim da semana de anos, que concluiria no ano 34 d.C., na metade da qual, no ano 31 d.C., o Messias seria crucificado e cessaria o valor simbólico dos sacrifícios” (Ibid., p. 278).


“Eles, porém, não se importaram” e muitos judeus rejeitaram a grande oportunidade de salvação, estando preocupados com os cuidados da vida (Mt 22:5). “Enquanto os servos do Rei anunciavam a ressurreição de Jesus e as boas-novas do reino para arrependimento e remissão de pecados (At 2:22-24, 32, 36 e 38), os líderes de Israel implementaram uma grande perseguição (At 8:1), que levou alguns ao cárcere (At 3:1-3), outros à morte (At 7:58) e muitos ao exílio (At 11:19). Embora um grupo numeroso do povo e dos dirigentes aceitasse Jesus, nesse tempo, a maioria O rejeitou de maneira depreciativa e arrogante” (Ibid.).


A rejeição desses convites resultou na destruição da nação. Tal destruição é simbolizada pela ordem do Rei para incendiar a cidade e exterminar os assassinos (Mt 22:6, 7). O judaísmo perdeu sua condição de agência escolhida de Deus. A oportunidade foi ampliada ou transferida para outro grupo: a igreja cristã, o Israel espiritual, composto de judeus individuais e de gentios crentes em Jesus. Assim, os convidados iniciais foram declarados indignos das bodas (Mt 22:8). Primeiramente, porque recusaram o convite. Em segundo lugar, porque, com isso, ofenderam o Rei que os havia convidado, menosprezando Sua autoridade. Também eram egoístas, auto-suficientes, gananciosos, obstinados, violentos e assassinos.



O último convite Sendo que o banquete continua em preparo, o Rei publica nova série de ordens. Seus servos devem sair em busca de pessoas que vivem fora dos limites da cidade, nas “encruzilhadas dos caminhos” e “pelas estradas”, e convidá-las para o banquete (Mt 22:9, 10). Esses convidados são os gentios, que também são súditos do Reino, mas desconhecem o Messias prometido e as provisões do evangelho. “O convite do evangelho que, a princípio, era exclusivamente para os judeus, fez-se geograficamente universal e etnicamente geral” (Ibid., p. 279). Dessa vez, os mensageiros obtêm sucesso, pois muitos convidados aceitam o convite do Rei.


Esse último convite é uma comissão evangélica, que originalmente implica em sair muitas vezes, até que a sala do banquete – a igreja ou a comunidade dos crentes – fique cheia. Até o fechamento da porta da graça, a ordem do Rei aos servos é: “Ide, pregai, fazei discípulos”.



Vestimenta adequada A resposta dada ao último convite do Rei não proveio de um grupo especial. Na verdade, “maus e bons” o atenderam. Nesse ponto, Jesus realça o fato de que a igreja é composta de indivíduos bons e maus, genuínos e insinceros. E isso demanda um processo de separação. A parábola indica a necessidade de um preparo indispensável para entrar nas bodas, e o rei estabeleceu que isso fosse cumprido imediatamente. Todos os hóspedes se encontravam sentados, esperando que o rei tomasse seu lugar para o início do banquete. Uma porta se abriu e, como um general que avalia suas tropas, ele entrou “para ver [inspecionar, verificar, revistar, investigar] os que estavam à mesa”. Um convidado foi achado indevidamente vestido e, em decorrência disso, foi expulso do banquete (Mt 22:10-13).


Esses termos descrevem o cenário de um juízo celestial pré-advento, por meio do qual é verificado se todos os que aceitaram o convite fizeram a devida preparação para as bodas. “O exame dos convidados pelo rei representa uma cena de julgamento. Os convidados à ceia do evangelho são os que professam servir a Deus, cujos nomes estão escritos no livro da vida. Nem todos, porém, que professam ser cristãos, são discípulos verdadeiros. Antes que seja dada a recompensa final, precisa ser decidido quem está apto para participar da herança dos justos. Essa decisão deve ser feita antes da segunda vinda de Cristo, nas nuvens do céu; porque quando Ele vier, o galardão estará com Ele ‘para dar a cada um segundo a sua obra’. Antes de Sua vinda, o caráter da obra de cada um terá sido determinado, e a cada seguidor de Cristo o galardão será concedido segundo seus atos.


“Enquanto os homens ainda estão sobre a Terra, é que a obra do juízo investigativo se efetua nas cortes celestiais. A vida de todos os Seus professos seguidores é passada em revista perante Deus; todos são examinados de conformidade com os relatórios nos livros do Céu, e o destino de cada um é fixado para sempre de acordo com seus atos” (Ellen G. White, Parábolas de Jesus, p. 310).


E em que consiste essa preparação? Simplesmente em usar as vestes de bodas providas pelo Rei a cada convidado. “Pela veste nupcial da parábola é representado o caráter puro e imaculado, que os verdadeiros seguidores de Cristo possuirão. Foi dado à igreja ‘que se vestisse de linho fino, puro e resplandecente’, ‘sem mácula, nem ruga, nem coisa semelhante’. O linho fino, diz a Escritura, ‘é a justiça dos santos’ (Ap 19:8). A justiça de Cristo e Seu caráter imaculado é, pela fé, comunicada a todos os que O aceitam como Salvador pessoal.


“A veste branca de inocência foi usada por nossos primeiros pais, quando foram postos por Deus no santo Éden. Eles viviam em perfeita conformidade com a vontade de Deus. Todas as suas afeições eram devotadas ao Pai celestial. Luz bela e suave, luz de Deus, envolvia o santo par. Esse vestido de luz era um símbolo de suas vestes espirituais de celestial inocência. Se permanecessem leais a Deus, continuaria sempre a envolvê-los. Ao entrar o pecado, porém, cortaram sua ligação com Deus, e desapareceu a luz que os cingia. Nus e envergonhados, procuraram suprir os vestidos celestiais, cosendo folhas de figueira para uma cobertura.


“Isto fizeram os transgressores da lei de Deus desde o dia em que Adão e Eva desobedeceram. Coseram folhas de figueira para cobrir a nudez causada pela transgressão. Cobriram-se com vestidos que eles mesmos fizeram; por suas próprias obras procuraram encobrir os pecados e tornar-se aceitáveis a Deus.


“Isto jamais pode ser feito, porém. O homem nada pode idealizar para suprir as perdidas vestes de inocência. Nenhuma vestimenta de folhas de figueira, nenhum traje mundano, pode ser usado por quem se assentar com Cristo e os anjos na ceia das bodas do Cordeiro.


“Somente as vestes que Cristo proveu podem nos habilitar a comparecer diante de Deus. Estas vestes de Sua própria justiça, Cristo dará a todos os que se arrependerem e crerem. ‘Aconselho-te’, diz Ele, ‘que de Mim compres... vestes brancas, para que te vistas, e não apareça a vergonha da tua nudez.’


“Esse vestido tecido nos teares do Céu não tem um fio de origem humana” (Ibid., p. 310, 311).



As bodas do Cordeiro No fim do tempo, as bodas do Cordeiro serão a vinda do Messias como Rei dos reis e Senhor dos senhores. Para esse banquete, há também um processo duplo de preparo, requerido de cada convidado: despir-se do “velho homem” e revestir-se do “novo homem”. Essa mudança é possível exclusivamente pela ação da justiça de Cristo, outorgada como um dom, ou comunicada por Sua graça transformadora. Quando o pecador vai a Deus, arrependendo-se e confessando seus pecados, e pela fé aceita Cristo como Salvador e Senhor, ele é perdoado e vestido em Cristo – Sua justiça. Nessa veste, tem continuidade o processo transformador da graça.


Ficarão de fora das bodas do Cordeiro todos os que rejeitarem o convite e os que tentarem participar com suas próprias vestes de justiça própria, suas boas obras, seus pretensos méritos, sua suposta santidade, avaliada por si mesmos. Esses se encontram entre os muitos que são chamados, mas ficam fora do grupo dos poucos escolhidos (Mt 22:14). Não se renderam inteiramente a Cristo. Precisam aprender a viver em total dependência dEle. Precisam Lhe entregar a vida sem reserva de domínio. Ele é quem começa em nós a obra de transformação; sendo o único capaz de completá-la. Nossa melhor vestimenta de justiça própria não passa de trapo imundo (Is 64:6). Mas todos podemos trocá-la pela veste que Jesus providenciou gratuitamente, e ocupar nosso lugar de honra no banquete celestial.

Interferência de bloqueador de anúncios detectada!


A Wikia é um site grátis que ganha dinheiro com publicidade. Nós temos uma experiência modificada para leitores usando bloqueadores de anúncios

A Wikia não é acessível se você fez outras modificações. Remova o bloqueador de anúncios personalizado para que a página carregue como esperado.

Também no FANDOM

Wiki aleatória