FANDOM



Orar 2.jpg
E quando orarem, não fiquem sempre repetindo a mesma coisa. Mateus 6:7

A oração que Jesus ensinou aos discípulos é simples e específica. Não dá espaço para que nossa mente fique divagando. Creio também que a ideia dEle era nos dar um simples exemplo em contraste com as longas orações dos líderes religiosos daquela época.

A oração do Senhor segue o mesmo padrão dos Dez Mandamentos. Jesus resumiu a lei dizendo que devemos amar a Deus em primeiro lugar e depois ao nosso próximo. A primeira parte da Oração do Senhor se centraliza em Deus e depois volta a atenção para nossas necessidades. As três primeiras sentenças estão na segunda pessoa do singular, no modo imperativo:

“Santificado seja o Teu nome” (v. 9). O primeiro pedido é que Deus seja honrado como tal e que seja dada a devida reverência ao Seu nome. Quando oramos “santificado seja o Teu nome”, manifestamos o desejo de tornar a presença de Deus real na oração. Como oração, o Pai Nosso não começa com as necessidades humanas, mas com a honra devida ao nome de Deus.

Ao começar dizendo “santificado seja o Teu nome”, saio do meu horizonte e elevo os olhos para Alguém superior. Não entro na sala de audiência de Deus como se estivesse indo visitar um amigo de muito tempo, aquele na porta de quem você nem bate e já vai entrando, joga a agenda em cima da mesa, o paletó de um lado, se esparrama na poltrona e pergunta: “E aí?” Mesmo com a proximidade que me permite chamá-lo de Pai, devo reconhecer o privilégio e a solenidade de me aproximar dEle.

“Venha o Teu reino” (v. 10). Para Jesus e os discípulos, o reino de Deus não era apenas uma realidade futura, no clímax da história, mas uma experiência presente no coração do ser humano. O reino de Deus ainda não existe em Sua plenitude no presente. Por isso, cabe a nós não apenas orar, mas trabalhar pelo seu avanço na Terra e para que a salvação se faça presente no coração de todos.

É uma oração para que o plano da salvação chegue à sua realização final e venha o fim do pecado.

“Seja feita a Tua vontade” (v. 10). Como é difícil, às vezes, alinhar nossa vontade à de Deus. Nessa oração, peço que Deus me ajude a encontrar a vontade dEle para minha vida e a confiar em Seu modo de decidir e responder. Por isso, precisamos de humildade e submissão para entregar nossa vontade à dEle, permitir que Ele nos dirija e nos submetermos à Sua providência.


Porque o seu Pai sabe do que vocês precisam, antes mesmo de O pedirem. Mateus 6:8
Editar

Oração do pai nosso.jpg
Com tantos exemplos de oração no Antigo Testamento, por que os discípulos pediram: “Ensina-nos a orar” (Lc 11:1)?

Na segunda tríade de petições do “Pai Nosso”, Jesus parece ter incluído as preocupações da vida humana. Todas as três estão na primeira pessoa do plural: “dá-nos” (Mt 6:11), “perdoa as nossas dívidas” (v. 12) e “não nos deixes” (v. 13).

“Dá-nos hoje o nosso pão de cada dia” (v. 11). É bom saber que Jesus não passou por alto nossas necessidades materiais. Ele mesmo proveu o vinho para uma festa, pão e peixe para a multidão.

Quando Ele ensina a orar dizendo “nosso pão de cada dia”, está incluindo o que é básico para nossa vida. Ele está falando de saúde, roupa para vestir, teto para abrigar, trabalho, estudo, etc. Portanto, devemos demonstrar nosso agradecimento a Deus por isso.

“Perdoa as nossas dívidas, assim como perdoamos aos nossos devedores” (v. 12). Jesus também ensinou que devemos orar pelas necessidades espirituais e emocionais.

Já que o problema do ser humano é o pecado, uma das petições centrais do Pai Nosso é sobre o perdão. Levamos a Deus nossos pecados e nossas falhas e, ao receber o perdão, somos objeto da graça de Deus. Por isso, devemos também estender o perdão a outros. “Aquele que não perdoa, obstrui o próprio conduto pelo qual, unicamente, pode receber misericórdia de Deus” (Ellen G. White, O Maior Discurso de Cristo, p. 113).

“E não nos deixes cair em tentação” (v. 13). Ou, como diz outra tradução: “Concede que não fracassemos no dia da prova.” Aqui admitimos nossa fragilidade e nosso medo de vir a pecar. Levamos a Deus nossa vulnerabilidade, porque sabemos que lutamos contra um inimigo que conhece nossos pontos fracos. “Deus é fiel; Ele não permitirá que vocês sejam tentados alem do que podem suportar. Mas, quando forem tentados, Ele mesmo lhes providenciará um escape, para que o possam suportar” (1Co 10:13).

Deus sabe o quanto podemos suportar, e devemos pedir-Lhe força para resistir. “À medida que o Espírito Santo glorifica a Cristo, nosso coração é abrandado e subjugado, as tentações perdem sua força, e a graça de Cristo transforma o caráter” (Ellen G. White, O Maior Discurso de Cristo, p. 118).

A oração do Senhor faz jus ao seu nome, pois nela temos nossas necessidades supridas, nossos pecados perdoados e nossas tentações vencidas.



José Maria Barbosa Silva

Interferência de bloqueador de anúncios detectada!


A Wikia é um site grátis que ganha dinheiro com publicidade. Nós temos uma experiência modificada para leitores usando bloqueadores de anúncios

A Wikia não é acessível se você fez outras modificações. Remova o bloqueador de anúncios personalizado para que a página carregue como esperado.

Também no FANDOM

Wiki aleatória