FANDOM


12-graca.jpg

Olhando com os Olhos de Jesus

Portanto Eu lhes digo, os muitos pecados dela foram perdoados, pois ela amou muito. Mas aquele a quem pouco foi perdoado, pouco ama. Lucas 7:47

A ocasião é familiar para nós: casa cheia, festa. Mais vozes masculinas do que femininas. Além de Jesus, que era o convidado especial, também estavam ali Lázaro, a quem Jesus havia ressuscitado, algumas celebridades e os discípulos de Jesus.

No meio da festa, a presença inesperada de uma mulher a quem Lucas chama de pecadora – uma forma politicamente correta de dizer que ela era prostituta.

O que você faz quando, no meio de uma festa, ou no meio de uma reunião, alguém comete uma gafe? Como você teria agido se estivesse ali? A pessoa está vestida como não deve, fala alto demais, avança para pegar comida. Como você teria agido? Inventaria uma tosse para sair; pegaria o celular fingindo uma chamada; esperaria a reação dos demais ou simplesmente ignoraria?

Quando o pessoal começou aquele ti-ti-ti orquestrado por Simão e Judas, Jesus introduziu uma pequena parábola que termina com o texto de hoje, mostrando a graça como perdão e misericórdia.

Todas as vezes que lia essa narrativa, eu tinha a curiosidade de saber quem era a mulher. Até que me deparei com o seguinte texto: “Maria foi considerada pecadora, mas Cristo sabia as circunstâncias que lhe tinham moldado a vida. [...] Fora Ele que a erguera do desespero e da ruína. Sete vezes ouvira ela a repreensão aos demônios que lhe dominavam o coração e a mente. [...] Foi Maria que se assentou aos pés de Jesus e dEle aprendeu. Foi ela que Lhe derramou na cabeça o precioso unguento, e banhou os pés com as próprias lágrimas. Achou-se aos pés da cruz e O seguiu até o sepulcro. Foi a primeira junto ao sepulcro, depois da ressurreição. A primeira a proclamar o Salvador ressuscitado.” (Ellen G. White, O Desejado de Todas as Nações, p. 567, 568).

Olhando para essa descrição de Maria, você pode pensar: quanto altos e baixos; mas que transformação!

Somente você e Deus conhecem sua vida e a necessidade de perdão. Podemos ir hoje ao encontro dEle. Ele está pronto para apagar nossos pecados e guiar-nos nos caminhos da Sua justiça.

O acesso está livre, aberto. Há amplo perdão. As palavras de Jesus foram carregadas de graça: “Seus pecados estão perdoados.”


Perto e ao Mesmo Tempo Longe

Permiti que você a visse com os seus olhos, mas você não atravessará o rio, não entrará nela. Deuteronômio 34:4

Se há alguém que eu gostaria que tivesse sido meu líder, esse é Moisés. Ele sabia como enfrentar o imprevisto e como encarar a oposição. Parecia alguém viajado, sabedor do caminho. Identificava-se com seu povo. Tinha um grande coração.

Alguns chegam a atribuir gagueira a Moisés. Eu não sei de nenhum líder que tenha sido gago. Se Moisés tivesse sido, o povo de Israel precisaria mais do que paciência para escutá-lo toda vez que fosse falar, e especialmente quando proferiu seu discurso de Deuteronômio.

O grupo que ele dirigia era heterogêneo, e apesar de terem nuvem de dia e aquecimento à noite, água e pão, todas essas coisas e provisão da graça de Deus, qualquer imprevisto era motivo de irritação e provocação. Quando não reclamavam da comida, reclamavam da água.

Eu ficaria triste e com pena em saber que o homem que foi meu líder e que me conduziu com tanta paciência e amor não iria comemorar conosco seu sonho, que era o de introduzir na terra de Canaã seu povo. Teria me sentado ao seu lado sem saber o que dizer. Quem sabe daria um toque no ombro dele e diria que também sentia muito.

Será que Deus não foi exigente demais com Moisés? Diante de toda a fidelidade que ele demonstrou, de tudo pelo que passou, a punição de Deus parecia severa e incomum. Em que realmente consistiu a transgressão do grande líder? Será que foi por ter matado o egípcio? Ou por ter cometido alguma falta repulsiva? Foi porque se irritou e, em lugar de falar, bateu na rocha?

Ali em Meribá faltou água. O povo não era paciente e gritou: “Queremos água, agora!” Em lugar de falar à rocha, Moisés tomou a glória para si e para seu irmão.

“[Moisés] estava fatigado com a contínua murmuração do povo contra si. Por ordem do Senhor, tomou a vara e, em vez de falar à rocha, como Deus ordenara, feriu-a duas vezes com a vara, depois de dizer: ‘Porventura tiraremos água desta rocha para vós?’ Nm 20:10. Aqui ele falou imprudentemente com seus lábios. [...] Não atribuiu ao poder e glória de Deus o jorrar de novo a água da rocha, e portanto não O glorificou diante do povo. Por esta falha da parte de Moisés, Deus não permitiria que ele guiasse o povo à Terra Prometida” (Ellen G. White, História da Redenção, p. 166)

Deus não foi injusto com Moisés, mesmo porque porteriormente Ele recompensou sua dedicação.


Livre do Domínio do Mal

Quando se aproximaram de Jesus, viram ali o homem que fora possesso da legião de demônios, assentado, vestido e em perfeito juízo, e ficaram com medo. Marcos 5:15

Logo que o barco chegou à praia, os discípulos ouviram gritos que vinham de uma elevação próxima. Então, viram um homem de cabelos longos, roupa em farrapos e olhar selvagem. Era incontrolável. Tinha sido excluído de qualquer contato humano, por isso vivia entre os sepulcros. Nem mesmo as correntes podiam prendê-lo. Era uma demonstração vívida de como a possessão demoníaca distorce e destrói a imagem de Deus no ser humano.

Antes disso, imaginando o que poderia estar acontecendo com ele, seus amigos tentaram levar curandeiros, adivinhos, pais-de-santo, jogar búzios, tarô, receitaram simpatias, encantamentos... mas nada tinha dado certo. Ele era um homem temido, evitado e abandonado.

Ao descrever com detalhes o que aconteceu, Marcos menciona três pedidos apresentados na realização do milagre:

O primeiro pedido é o dos demônios. Nas proximidades havia uma manada de porcos. Os demônios disseram: “Manda-nos para os porcos.” Quer dizer, preferimos continuar vivendo na sujeira, deitando e rolando na lama. E numa disparada, lá se foram os porcos num “salto olímpico” precipício abaixo. Os “frigoríficos” daquela época ficaram sem matéria-prima durante bom tempo.

O segundo pedido foi o dos habitantes de Gerasa. Os mais exaltados da cidade começaram a incitar a multidão, dizendo: “Se Jesus ficar por aqui, nosso pólo de produtos suínos vai perder a hegemonia. Queremos tranquilidade. Por favor, saia do nosso território.”

Finalmente, veio o pedido do homem curado, solicitando a Jesus que lhe permitisse ficar com Ele. “Quero um novo ambiente. Todos aqui já me conhecem. Não vão me aceitar.” Porém, Jesus lhe deu uma missão: “Volte para casa e para os seus amigos. Conte como Deus foi misericordioso com você.”

“Nem um dos sermões de Seus [de Jesus] lábios lhes caíra jamais ao ouvido. [...] Podiam dizer o que sabiam; o que eles próprios tinham visto e ouvido, e experimentado do poder de Cristo. É o que a todo aquele cujo coração foi tocado pela graça de Deus, é dado fazer” (Ellen G. White, O Desejado de Todas as Nações, p. 340).

O homem voltou transformado para a cidade e para casa. Era uma nova pessoa. Vestido, limpo, sem cadeias nas mãos ou nos pés, em são juízo. Livre!

“Se alguém está em Cristo, é nova criação. As coisas antigas já passaram, eis que surgiram coisas novas!” (2Co 5:17).


A Graça de Deus Não Foi Dada em Vão

Eu não sou digno de ser incluído neste círculo íntimo de pessoas, como vocês bem sabem, tendo desperdiçado todos aqueles anos para apagar do mapa a existência da igreja de Deus. Mas como Deus foi tão gracioso, muito generoso, aqui estou eu. E eu não vou deixar que a graça de Deus me seja dada em vão. 1 Coríntios 15:9, 10, The Message

Há um pequeno vocábulo implícito neste texto: “se”. Quase todas as vezes que o pronunciamos, o fazemos em tom de mágoa e tristeza. Repetimos o “se” quando perdemos uma oportunidade ou depois de fazermos uma escolha da qual nos arrependemos. Se tivesse chegado mais cedo; se vivesse em outra cidade; se tivesse ido; se tivesse ficado; se tivesse começado; se tivesse terminado... E assim por diante, numa ladainha sem fim.

O “se” nunca vai abrir uma porta que a negligência ou o pecado fechou. Não vai trazer de volta o dia, o lugar, nem as pessoas.

Quando Paulo escreveu essas palavras, por volta do ano 55 d.C., isto é, mais ou menos vinte anos depois de sua conversão, ele ainda lamentava o que havia feito antes de conhecer a Cristo, e pela maneira desafiante como tinha estado em oposição a Deus. Disse aos seus irmãos de Corinto: “Vejam só como foi minha vida antes de conhecer a Cristo.”

Alguns também levam o peso de erros cometidos antes e até mesmo depois de terem se encontrado com Jesus, e dizem: “Olha só que coisa horrível eu fiz. Não acredito que tenha feito isso!”

Você já parou diante do espelho depois de estar arrependido pelo que disse ou pelo que fez, e se insultou dizendo: “Seu estúpido! Seu insensível! Quando é que você vai aprender? Ó, meu Deus, por que é que eu sou assim?”

Podemos começar este dia fazendo uma de duas escolhas: (1) viver a realidade dos fracassos e erros de ontem, ou (2) viver na presença da graça de Deus. Para isso, precisamos remover a barreira entre o “eu ideal” e o “eu real”, decidir que Deus está do nosso lado e perdoar a nós mesmos.

Nossa maneira de viver hoje poderá ser motivo de satisfação e celebração amanhã – ou motivo de mágoa e lamento.

Paulo aceitou o perdão de Deus e decidiu se perdoar pelo que tinha feito. Você também não precisa carregar seu fardo nem por um minuto mais.

Receba o abraço de Deus e diga como Paulo: “Pela graça de Deus sou o que sou.” Estou reconciliado com Ele. Sou herdeiro do reino.


Jose Maria Barbosa Siva

Interferência de bloqueador de anúncios detectada!


A Wikia é um site grátis que ganha dinheiro com publicidade. Nós temos uma experiência modificada para leitores usando bloqueadores de anúncios

A Wikia não é acessível se você fez outras modificações. Remova o bloqueador de anúncios personalizado para que a página carregue como esperado.

Também no FANDOM

Wiki aleatória